sábado, 29 de agosto de 2015

1983 - Pra Frente Brasil

       
 Pra frente, Brasil é um filme brasileiro de 1982 (censurado e lançado novamente em 1983), dos gêneros drama e ficção histórica, dirigido e escrito por Roberto Farias, baseado em argumento de Reginaldo Faria e Paulo Mendonça. Estrelado por Reginaldo Faria, Antônio FagundesNatália do Vale e Elizabeth SavallaPra frente, Brasil foi um dos primeiros filmes a retratar a repressão da ditadura militar brasileira (1964–1985) de forma aberta.

SINOPSE: 

          Em 1970, na época dos anos de chumbo e do dito "milagre econômico", o Brasil vibra com a Seleção Brasileira de Futebol na Copa do Mundo sediada no México. Enquanto isso, prisioneiros políticos são torturados por agentes da repressão oficial e inocentes também acabam sendo vítimas dessa violência.
          Jofre Godoi da Fonseca é um pacato trabalhador de classe média, casado com Marta, com quem tem dois filhos. Miguel, seu irmão, goza dos mesmos privilégios que ele, apesar de amar Mariana, uma guerrilheira de esquerda. Quando Jofre divide um táxi com um militante de esquerda, é tido como "subversivo" pelos órgãos de repressão. É preso e submetido a inúmeras sessões de tortura.
          Miguel e Marta tentam encontrá-lo através dos meios legais, mas se deparam com a relutância da polícia em investigar o desaparecimento. Com o telefone grampeado, Miguel recebe Mariana em casa, ferida após um fracassado assalto a banco. É quando ele fica sabendo da atuação de um grupo de repressão política patrocinado por empresários.

          Enquanto isso, Jofre consegue fugir de seu cativeiro, mas é alcançado pela Veraneio de seus algozes, que assistiam à cena escondidos. Barreto, o chefe dos torturadores sai do veículo e vai pessoalmente verificar o estrago que seus homens haviam feito em Jofre. Cumprido o dever, retornam ao cativeiro onde, por conta das torturas sofridas, o inocente acaba morrendo ao som dos gols do jogo Brasil versus Itália e da marchinha do tricampeonato, "Pra frente, Brasil".


ELENCO: 
Reginaldo Faria - Jofre
Antônio Fagundes - Miguel
Natália do Vale - Marta
Elizabeth Savalla - Mariana
Carlos Zara - Dr. Barreto
Cláudio Marzo - Sarmento
Neuza Amaral
Ivan Cândido
Flávio Migliaccio
Milton Moraes
Luiz Armando Queiroz
Irma Álvarez
Lui Farias
Maurício Farias



CONTEXTO HISTÓRICO:

          O filme retrata o auge da repressão a opositores durante a ditadura militar brasileira, no governo de Emílio Garrastazu Médici. Indicadores econômicos favoráveis, durante o chamado "milagre econômico", divulgados por uma mídia completamente censurada, maquiavam o aumento da concentração de renda e da pobreza, instaurando no país um sentimento extremamente ufanista, que atingiu seu auge com a conquista do terceiro título da Copa do Mundo de Futebol pela Seleção Brasileira no México. O título do filme é uma referência à canção de mesmo nome, escolhida pelo regime para representar o país no Mundial de 1970.
          Conforme Élio Gaspari relatou em seu livro A Ditadura Escancarada, trata-se de um período paradoxal da História do Brasil: "o milagre brasileiro e os anos de chumbo foram simultâneos. Ambos reais, co-existiam negando-se. Passados mais de trinta anos, continuam negando-se. Quem acha que houve um, não acredita (ou não gosta de admitir) que houve o outro".

PRODUÇÃO:
          Pra frente, Brasil foi inicialmente censurado pelo regime, apesar de seu diretor, Roberto Farias, ter sido presidente da Embrafilme no auge da ditadura, e o país estar à época em plena redemocratização. A censora do regime, Solange Maria Teixeira Hernandes, afirmava haver "excessos de liberdade no cinema e no teatro" na época em que o filme foi lançado. O filme foi liberado pela Justiça e estreou, em versão sem cortes, em 14 de fevereiro de 1983. À época presidente da Embrafilme, Celso Amorim viu-se obrigado a abandonar o cargo da estatal em abril de 1982 por ter aprovado o financiamento público para a produção. A proibição inicial ao filme baseou-se na alínea D do artigo 41 da Lei 20.943, de 1946, que previa "interdição quando a obra for capaz de provocar incitamento contra o regime vigente, a ordem pública, as autoridades e seus agentes".
          Reza a lenda que Pra frente, Brasil teria sido inspirado em um acontecimento real, vivido pelo protagonista Reginaldo Faria. Certo dia, ao cochichar de brincadeira que "portava uma arma" para uma mulher na fila do aeroporto do Galeão, o ator teria sido levado para a sala de interrogatório. Do susto, nasceu o argumento Sala Escura, transformado pelo irmão Roberto no roteiro do longa. A história do filme, entretanto, é similar a do filme erótico E agora, José?, clássico do chamado "cinema boca do lixo" estrelado por Arlindo Barreto e lançado três anos antes.
         O ator Carlos Zara inicialmente recusou o papel do torturador Barreto por ter tido seu irmão, Ricardo Zaratini, preso e torturado em 1969. Outro paralelo que o filme faz com a realidade diz respeito ao assassinato do empresário vivido por Paulo Porto, uma referência ao fuzilamento, em 1971, de Henning Albert Boilesen, industrial acusado de patrocinar a Operação Bandeirantes.



ANÁLISE:
        Pra frente, Brasil foi lançado no mesmo ano que Missing, de Costa-Gavras, filme denunciando as violações aos direitos humanos praticadas pela ditadura do general Augusto Pinochet no Chile, e, por esta razão, foi muito comparado ao cinema político de Gavras. Farias recusou tais comparações em entrevista à Veja de 16 de fevereiro de 1983, dizendo que Gavras lhe parecia um "cafetão das esquerdas", por morar em Paris e tratar de realidades distantes à sua.
         Há quem defenda que o filme "inocenta os militares" que praticaram violações aos direitos humanos no regime, por mostrar os torturadores como integrantes de grupos à margem do Estado, financiados por empresários. Outros, por outro lado, defendem que "contornar o enfrentamento" foi a "saída inteligente para dizer o que precisava ser dito".

PRÊMIOS E INDICAÇÕES: 
        De acordo com o site Internet Movie Database, o filme Pra frente, Brasil recebeu cinco importantes prêmios em festivais de todo o mundo. Os dois primeiros foram os de melhor filme e edição no Festival de Gramado de 1982, seguidos pelos prêmios de Ofício Católico do Cinema e da Associação dos Cinemas de Arte da Europa no Festival de Berlim do ano seguinte. O filme também recebeu a Margarida de Prata da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, além de ter sido indicado ao Urso de Ouro em Berlim.

sábado, 22 de agosto de 2015

1982 - Final Feliz

 
      Final Feliz foi uma telenovela brasileira, produzida e exibida no horário das 19 horas pela Rede Globo, entre 29 de novembro de 1982 e 3 de junho de 1983, em 161 capítulos, substituindo Elas por Elas e sendo substituída por Guerra dos Sexos. Foi a 30ª"novela das sete" exibida pela emissora.
Escrita por Ivani Ribeiro e dirigida por Paulo UbiratanWolf Maia e Mário Marcio Bandarra, com direção de núcleo de Paulo Ubiratan.
          A novela foi reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo entre 3 de setembro de 1984 a 8 de fevereiro de 1985, em 115 capítulos.
          Contou com José WilkerNatália do ValeMilton MoraesAdriano ReysRoberto MayaPriscila CamargoCélia BiarJosé Augusto BrancoÊnio SantosMiriam PiresAngelina MunizNey SantannaFrancisco MilaniAracy CardosoBuza Ferraz e Lídia Brondi nos papéis principais.

SINOPSE:
           A impetuosa Débora é apaixonada por Leandro, noivo de sua prima Mirtô, até que reencontra Rodrigo, irmão de Mirtô, com o qual não mantinha contato havia muitos anos. Inicialmente, os dois nutrem uma antipatia gratuita um pelo outro - antipatia essa que esconde um sentimento maior. Acabam apaixonados e vivem um tumultuado romance, devido ao gênio difícil de ambos.
          A irmã de Débora, Suzy, se envolve liricamante com o jovem veterinário Paulo, que, por engano, se descobre doente e com pouco tempo de vida, e acaba sufocando o amordos dois, causando sofrimento para ambos.

          Débora e Suzi são filhas do tio de Rodrigo, o inescrupuloso César Brandão, que dá um golpe na família, simulando a própria morte e deixando todos na miséria. A esposa, Maria Luíza, se envolve com o médico Wagner, descobrindo o verdadeiro amor, ao lado de um homem honesto e sincero. Isso até a volta de César, que causa uma reviravolta na vida de todos e acaba sendo assassinado.
          Também ganha força na trama a luta da sofrida Marina, mãe de Paulo, tendo que educar o filho Rafael, um adolescente deficiente mental que conhece a compreensão e ocarinho de Mestre Antônio, um simplório pescador, amicíssimo de Rodrigo.
         Também temos a história de Dona Sinhá, a simpática velhinha que fornecia coelhos ao restaurante, e tinha seus passos vigiados por Alaor que, ao estranhar o comportamentoda velha senhora, acaba descobrindo que Dona Sinhá cria gatos, e não coelhos.

ELENCO:
José Wilker - Rodrigo
Natália do Vale - Débora
Buza Ferraz - Paulo
Lídia Brondi - Suzy
Milton Moraes - Alaor
Adriano Reys - Leandro
Roberto Maya - César Brandão
Priscila Camargo - Mirtô
Célia Biar - Jandira
José Augusto Branco - França
Ênio Santos - Messias
Miriam Pires - Marina
Angelina Muniz - Glaúcia
Ney Santanna - Ivan
Francisco Milani - Vasco
Aracy Cardoso - Augusta
Cissa Guimarães - Lúcia "Lucinha"
Oswaldo Louzada - Olegário
Irving São Paulo - Rafael
Tetê Pritzl - Ana Maria
Cininha de Paula - Kátia
Patricia Bueno - Lourdes
Tony Ferreira - Gastão Nicolini
Alexandre Marques - Serginho
Ana Magdalena - Patty
Eduardo Lago - Augusto "Guto"
Suzana Queiroz - Gaby
Elza Gomes - Dona Sinhá
Walmor Chagas - Wagner
Stenio Garcia - Mestre Antônio
Lilian Lemmertz - Maria Luiza



TRILHA SONORA:

·         "Coisa Acesa" – Moraes Moreira
·         "O Que é Que Há?" – Fábio Jr.
·         "Sinal de Amor" – Gilliard
·         "Verbos do Amor" – Gal Costa
·         "Down Em Mim" – Barão Vermelho
·         "Menino Deus" – A Cor do Som
·         "Flagra" – Rita Lee
·         "Exemplo" – Ângela Maria e Cauby Peixoto
·         "Embarcação" – Francis Hime
·         "Quebra Gelo" – Renato Terra
·         "Simples Carinho" – Ângela Rô Rô
·         "Pensamento" – Fagner
·         "Lençóis de Linho" - Billy Blanco
·         "Prazer e Viver" – Paulinho Boca de Cantor
·         "Sublime Amor" – Paulo Soarez
·         "Try My Side" – The Chi-Lites
·         "Got To Be There" – Chaka Khan
·         "Everybody" – Madonna
·         "It Started With a Kiss" – Hot Chocolate
·         "Never Gonna Let You Go" – Sérgio Mendes
·         "Saddle Up" – David Christie
·         "Let's Get Started" – Voyage
·         "Maneater" – Daryl Hall & John Oates
·         "I'm Never Gonna Say Goodbye" – Billy Preston
·         "Don't Go" – Yazoo
·         "Bluer Than Blue" – Ruby Wilson
·         "The Lion Sleeps Tonight" – Smoothsayer
·         "On My Own" – Montezuma
·         "Knock Me Out" – Gary Gang



DÉBORA (Natália do Vale):
Moça rebelde, caprichosa, prepotente e mimada pela família. Não aceita o casamento de Leandro (Adriano Reys) com sua prima Mirtô e tenta afastá-los.  Acaba se apaixonando por Rodrigo (José Wi1ker), com quem vive uma relação cheia de desentendimentos.


CURIOSIDADES:
Rodrigo e Débora foram os nomes escolhidos por Tetê (Marilu Bueno) e Gugu (Cláudio Correa e Castro) para os filhos gêmeos que eles esperavam na novela A Gata Comeu, também de Ivani Ribeiro.

sábado, 15 de agosto de 2015

1982 - Sétimo Sentido

          Sétimo Sentido é uma telenovela brasileira produzida pela Rede Globo e exibida de 29 de março a 8 de outubro de 1982, em 167 capítulos.
          Foi escrita por Janete Clair e dirigida por Roberto TalmaJorge Fernando e Guel Arraes.


SINOPSE:
          A trama principal gira em torno da paranormal Luana Camará (Regina Duarte). Luana é uma jovem professora, tímida e discreta. Nasceu em Casablanca, no Marrocos, mas é filha de brasileiros. Durante o período Vargas, seus pais se viram obrigados a sair do país por problemas políticos. Muito ricos, deixaram a fortuna nas mãos de Antônio Rivoredo (Carlos Kroeber), melhor amigo do pai de Luana, casado com Santinha (Eva Todor). Alguns anos depois, Luana perde os pais e está certa de que reaverá seu patrimônio, mas Antônio Rivoredo não devolve os bens da jovem como havia prometido. No início da história, Luana está de malas prontas para vir ao Brasil com o objetivo de recuperar a fortuna de sua família, roubada pelos Rivoredo.

        O braço direito de Antônio é Tião Bento (Francisco Cuoco), principal mentor das trapaças contra os Camará. Ainda nos capítulos iniciais, Antônio morre, e o ambicioso Tião, protegido por Santinha, uma mulher sem escrúpulos, fica de olho na direção das empresas e no dinheiro de Rivoredo, tornando-se o principal antagonista de Luana. Na verdade, atrás da confiança que Santinha deposita em Tião há um segredo, ela é sua verdadeira mãe. Mau-caráter e muito sedutor, Tião Bento trabalha como empresário, mas sonha em ser ator. Fã de Errol Flynn, vive interpretando cenas de filmes famosos e anseia por uma oportunidade de entrar no meio artístico. Metido a Don Juan, tem uma curiosa mania: guarda sempre um pé de sapato das mulheres que seduz, além de filmar seus encontros amorosos, sem que suas parceiras desconfiem.
          Tião Bento enfrenta a oposição de uma outra mulher: Sandra Rivoredo (Natália do Vale), a filha mais velha de Antônio, criada para substituir o pai nos negócios. É a presidente das Indústrias de Gêneros Alimentícios Catarina e faz tudo para afastar Tião da direção da empresa. Bom-caráter e responsável ao extremo, chega a abdicar de sua vida pessoal em prol dos negócios.

         Outro personagem que cruza o caminho de Luana Camará é Rudy (Carlos Alberto Ricelli), filho de Antônio e Santinha Rivoredo. Rudy desperta a paixão de Luana, mas o caminho não está livre para ela, pois ele é casado com a possessiva Helenice (Beth Goulart). Apesar disso, Rudy também fica balançado com Luana, o que acaba piorando sua relação com a mulher, que já não estava boa. Esportista reconhecido, Rudy gosta de liberdade. É muito aventureiro e sempre se destacou pela ousadia. Helenice, no entanto, critica a postura do marido, pois sente muito medo de sua profissão que, muitas vezes, coloca a própria vida em risco. Os dois brigam muito por conta disso, desgastando o relacionamento dia após dia.
          As relações familiares dos Rivoredo são algumas das tramas paralelas de Sétimo sentido. Completam o núcleo ligado à família o caçula Tony (Paulo Guarnieri), Valério (Armando Bógus), novo marido de Santinha, e Harold Bergman (Fernando Torres), irmão da matriarca. Tony é um típico jovem da zona sul carioca: alegre, extrovertido e cheio de vida. Valério é um ator medíocre, sempre escalado para desempenhar papéis secundários. Após casar-se com Santinha, no entanto, sua carreira ganha um impulso, graças aos financiamentos de filmes feitos pela própria mulher. Harold, por sua vez, é um arqueólogo milionário, diretor de uma companhia de pesquisas submarinas. Tem adoração pelos sobrinhos e exerce muita influência sobre eles.

          Para reaver seus bens, Luana conta com a ajuda de Danilo Mendes (Cláudio Cavalcanti), jornalista que sonha ser cineasta e que se apaixonará por Sandra, apesar da oposição de Santinha, que tentará a todo custo destruir a relação. Em meio a tantos obstáculos, Luana fica desmotivada e decide voltar para sua cidade natal, Casablanca. A novela dá uma reviravolta quando a protagonista retorna ao Brasil encarnando a personalidade da falecida atriz italiana Priscila Capricce. Luana, que já manifestava sinais de paranormalidade, acaba sofrendo uma transformação radical e seu corpo é tomado pelo espírito da atriz. Extrovertida, sensual e esfuziante, Priscila não lembra Luana em nada, a não ser fisicamente.
           A trama se complica ainda mais quando Priscila consegue seduzir o principal rival de Luana, Tião Bento, e os dois acabam se casando, numa das cenas de maior destaque da novela. A cerimônia é realizada numa comunidade cigana à qual Luana havia se integrado antes de transforma-se em Priscila. Os dois chegam ao local da festa montados em cavalos brancos. Ao som de violinos, entre ciganos, os dois dançam durante horas.

          Em determinados momentos da história, o espírito de Priscila deixava o corpo de Luana. Em uma dessas vezes, Luana procura por Célia (Jacqueline Laurence), uma parapsicóloga sensitiva com quem ela decide fazer uma série de terapias de regressão. Célia diz a Luana ser preciso saber o que Priscila deseja para depois enfrentá-la. Duas importantes revelações são feitas. Primeiro: descobre-se que Luana e Priscila foram irmãs gêmeas em outras vidas, Luciana (Luana) e Maria Pia (Priscila). Maria salvara a vida de Luciana, criando assim, uma dívida de gratidão com a irmã, que seria resgatada no presente. A segunda revelação feita ao telespectador é que Priscila luta para descobrir o paradeiro de sua filha, por isso seu espírito não deixa o corpo de Luana. Célia consegue descobrir que Priscila deixará Luana em paz se ela conseguir localizar a menina.
          Tião Bento, por sua vez, começa a ficar irritado com as repentinas mudanças no comportamento de sua mulher, que ele acredita ser Priscila. Ao descobrir que a verdadeira Priscila Capricce falecera há um ano e que sua mulher, na realidade, é Luana Camará, Tião mostra-se disposto a ajudá-la. Ele entra em contato com a parapsicóloga Célia e revela que, na realidade, sempre amou Luana, e não Priscila. A partir daí, Tião transforma-se no maior aliado e protetor da protagonista. Luana, no entanto, lembra a Tião que continua apaixonada por Rudy. Mesmo assim, ele não desiste de lutar pelo seu amor.

          Através de um sonho, Luana descobre o nome do orfanato onde a filha de Priscila está. Tião vai em busca da menina, junto com sua avó materna, Augusta (Heloísa Helena), e consegue encontrar Cila (Izabella Bicalho), a filha de Priscila. Ao ficar cara a cara com Cila, Luana imediatamente volta a ser Priscila. Emocionada, ela diz à filha que Tião é seu novo pai. Célia convence Priscila a abandonar o corpo de Luana, lembrando que seu tempo de vida terminou, e ela promete deixá-la definitivamente livre.
          Enquanto isso, com a ajuda do advogado Pratini (Reinaldo Gonzaga), Danilo luta para levar o caso de Luana adiante. Ele consegue ter acesso a documentos que provam que a família Camará é proprietária legítima do patrimônio dos Rivoredo e entra com uma ação reivindicando os bens de Luana. No dia do julgamento, penúltimo capítulo de Sétimo sentido, Janete Clair mobilizou o público, centrando o debate sobre o fenômeno da dupla personalidade. Em vários momentos Luana volta a ser Priscila, para desespero de Célia, que luta para libertar Luana do espírito da atriz em pleno tribunal.

          A surpresa fica por conta de Tião Bento. Ao ser chamado para depor, Tião diz ao juiz que, de fato, Antônio Rivoredo assinou um contrato se comprometendo a devolver as Indústrias Catarina a Agenor Camará e exibe o verdadeiro documento. Luana ganha a causa na Justiça e recupera todo seu patrimônio.
          No último capítulo da novela, para tristeza de Rudy, Luana decide ficar com Tião, e os dois se casam. Passam-se dois anos e a última sequência da história mostra Tião e Luana brincando no jardim com o filho, Sebastião, formando uma família feliz.
          Entre outros personagens marcantes de Sétimo sentido estava Gisa (Tamara Taxman), a caminhoneira filha de Tomaz (Ênio Santos), jardineiro da família Rivoredo. Bonita e extremamente franca, ela entrou para a lista de "mulheres do povo" criadas por Janete Clair, como Chica Martins, de Fogo sobre terra (1974), Ana Preta, de Pai herói (1979) e Maria-Faz-Favor, de Coração alado (1980). Na época, Janete Clair divulgou que sentia necessidade de ter em seus enredos uma espécie de porta-voz do povo, aquele personagem que diz o que todos gostariam de dizer.



ELENCO:
Francisco Cuoco - Tião Bento (Sebastião Bento)
Regina Duarte -Luana Canará/Priscilla Capricce
Eva Todor - Santinha (Maria Santa) Bergman Rivoredo
Cláudio Cavalcanti - Danilo Mendes
Carlos Alberto Riccelli - Rudy (Rodolfo Bergman Rivoredo)
Natália do Vale - Sandra Bergman Rivoredo
Armando Bogus - Valério
Nicette Bruno - Sara Mendes
Fernando Torres - Harold Bergman
Beth Goulart - Helenice
Lisa Vieira - Érika Rezende
Sebastião Vasconcelos - Elísio Mendes
Paulo Guarnieri - Tony (Antônio Bergman Rivoredo)
Tamara Taxman - Gisa (Gisela Rezende)
Adriano Reys - Renard
Myriam Pérsia - Mapy Hilder
Heloísa Helena - Augusta
Jacqueline Laurence - Célia
Reinaldo Gonzaga - Gilson Pratini
Miriam Pires - Carolina
Fernando Eiras - Henrique Bergman
Neuza Caribé - Uiara
Otávio Augusto - Jorge
Ruth de Souza - Jerusa
Edwin Luisi - Rubens
Ênio Santos - Tomás Rezende
Jonas Bloch - Jaime
Edney Giovenazzi - Sampaio
Tânia Bôscoli - Alba Rezende
Patrícia Phebo - Cristina
Sônia Clara - Diana Bergman
Jacyra Silva - Pérola
Maralise - Arminda
Izabella Bicalho - Cila (filha de Priscila)
Cassia Foureaux - Ângela
Lajar Muzuris - Domingos
Monique Alves - Rosinha
Terezinha Sodré - Rita
Irma Alvarez - Vanda
David Pinheiro - Padre Gustavo
Nilson Acioly - Kico
Carlos Kroeber - Antônio Rivoredo
Stepan Nercessian - Belarmino
Maria Della Costa - Juliana
Yolanda Cardoso - Carla Taglianetti
Lícia Magna - Olga
Alessandra de Melo - Luana (criança)



TRILHA SONORA:

Gilberto Gil - Esotérico
Ney Matogrosso - Jeito de Amar
Maurício - A Cada Momento
Luiz Gonzaga Jr. - Ser, Fazer, Acontecer
Marina Lima - Charme do Mundo
Chico Buarque - As Vitrines
Rita Lee - Atlântida
Vinícius Cantuária - Coisa Linda
Djavan - Faltando um Pedaço
Maria Bethânia - Atiraste uma Pedra
João Gilberto, Caetano Veloso e Gilberto Gil - Disse Alguém
MPB-4 - Magia
Cauby Peixoto - Então Tá
Elton John - Empty Garden 
Duran Duran - Anyone out There 
Don McLean - Castles in the Air 
Ray Parker Jr. - The Other Woman 
Udo Jürgens - Walk Away 
Mary Wells - Gigolo 
Bianco - Silenzio 
Spirits - Chariots of Fire 
Adrian Gurvitz - Classic 
War - You Got the Power 
Rod Stewart - How Long? 
Patrick Cowley - Megatron Man 
Michael Henderson - Make it Easy on Yourself 
Danielle - Tristesse 


SANDRA RIVOREDO (Natália do Vale):
Filha mais velha de Santinha (Eva Todor) e Antônio (Carlos Kroeber), irmã de Rudi (Carlos Alberto Riccelli) e Tony (Paulo Guarnieri). Foi criada para substituir o pai. É presidente das Indústrias de Gêneros Alimentícios Catarinas e fará de tudo para que Tião Bento (Francisco Cuoco) não ocupe o seu lugar. Executiva, dinâmica e extremamente responsável, cuida dos problemas da família, chegando a abdicar de sua vida pessoal em função dos negócios.



CURIOSIDADE:
Natália do Vale mais uma vez fazia par romântico com o ator Cláudio Cavalcanti repetindo o sucesso da novela Água Viva (1980).